Silvio Caldas - Chão de Estrelas

[postlink]http://clipvinil.blogspot.com/2010/06/silvio-caldas-chao-de-estrelas.html[/postlink]http://www.youtube.com/watch?v=wvSsOpA7jm4endofvid
[starttext]
Sílvio Antônio Narciso de Figueiredo Caldas, nasceu no Rio de Janeiro, em 23 de maio de 1908 e faleceu em Atibaia, São Paulo, no dia 3 de fevereiro de 1998. Foi um cantor e compositor brasileiro.

Seu primeiro sucesso foi o samba de Ari Barroso intitulado Faceira (1931). Desde então, consagrou-se como um dos maiores cantores brasileiros. Chão de estrelas (1937), em parceria com Orestes Barbosa, foi um de seus maiores êxitos.

Dono de timbre inconfundível, que lhe valeu a fama de grande seresteiro, é conhecido também por alcunhas carinhosas, como Caboclinho querido, A voz morena da cidade ou Titio.


Chão de Estrelas
(Sílvio Caldas/Orestes Barbosa)

Minha vida era um palco iluminado
Eu vivia vestido de dourado
Palhaço das perdidas ilusões
Cheio dos guizos falsos da alegria
Andei cantando a minha fantasia
Entre as palmas febris dos corações
Meu barracão no morro do Salgueiro
Tinha o cantar alegre de um viveiro
Foste a sonoridade que acabou
E hoje, quando do sol, a claridade
Forra o meu barracão, sinto saudade
Da mulher pomba-rola que voou
Nossas roupas comuns dependuradas
Na corda, qual bandeiras agitadas
Pareciam estranho festival!
Festa dos nossos trapos coloridos
A mostrar que nos morros mal vestidos
É sempre feriado nacional
A porta do barraco era sem trinco
Mas a lua, furando o nosso zinco
Salpicava de estrelas nosso chão
Tu pisavas os astros, distraída,
Sem saber que a ventura desta vida
É a cabrocha, o luar e o violão
[endtext]

Um comentário:

NEIDE disse...

Uma poesia em forma de canção....
Minha vida é um palco iluminado....

Beijos amigo.
Bela canção.

Postar um comentário